domingo, 31 de outubro de 2010

Dos Adormecimentos De Que Falam As Fábulas

Ganhei um esquife suficientemente fortalecido para que me sirva de armadura e abrigo, mas ao mesmo tempo tão delicado a ponto de não poder ser visto assim de relance -há que se olhar atento e agudo para o meu estado de latência, hibernação, travessia. E enquanto descanso da realidade em necessário sono, é em sonho que trabalho um sem fim de lidas.

Um comentário:

Anna K. Lacerda disse...

Navegue meu elegante menino!

O mar, o rio, o lago, a piscina... Até mesmo a banheira, é mais azul com vc por perto!