quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Cosmogonia




Meu deus entronizado
em teu corpo, penetrado.
Falo de mim em ti.
E te reconheces.
E o oposto também se faz verdade.
Arrebatamento cósmico,
religião fundada em foda:
somos egípcios.
civilizados antes dos civilizados
sei teus anéis
e dentro deles
vejo Saturno de perto.
conheço âmagos
e me conheces.
os outros nascem
e se proliferam.
estranhas distâncias
se instauram.


Imagem: The Origin of Love- Hedwig and The Angry Inch

2 comentários:

Raíssa Abreu disse...

Um dos poemas eróticos mais lindos que já li. Devia estar no "Cântico dos Cânticos" (rs).

beto,,, disse...

fiquei numa de que as estranhas distâncias no final colocadas se fecham na mesma história paragrafal. não haveria porque separar parágrafos pq fazem parte do mesmo seguir de coisas do tema proposto: o estar junto. a distância vem.

os anéis de saturno. maravilha isso. mesmo.

e os outros não param de nascer. são outros quaisquer ou os de-dentro que ainda assim eventualmente outros em si? se pá ambos.

"Falo de mim em ti." caralho... fodido!

(com a inevitável conjunção de caralho fodido e falo, rs. nossas expressões de admiração terem tão a ver com sexo dizem socialmente alguma coisa, hahahaha.)