sábado, 26 de março de 2011

Golden Shower

O calor que vinha dele era eletricidade. Felicidade em neon, descargas correndo em velocidade inimaginável dentro dos fios-veias que ele usava no pescoço. Parecia a corda de um suicida envolvendo as amígdalas. Parecia que ele brilhava e gozava até dar pane. Ela olhava de longe, maravilhada. Quando mijou em cima dele o curto-circuito foi seu ápice. Os olhos sem cor estavam revirados para trás e ela sentia que só ela sabia de que cor eles tinham sido.